+351262 925 500
Contacto 24h
História Associação

          Na segunda metade do século XX deu-se a nível nacional uma forte mudança económica à qual a Benedita não ficou indiferente. As principais fontes de riqueza desta terra eram a pecuária, a cutelaria, a marroquinaria, o calçado, a transformação da pedra, entre outras. Nessa época a Benedita dava emprego a grande parte da sua população bem como às aldeias vizinhas.

          Os acidentes tanto de trabalho como de viação começaram a ser em maior expressão, uma vez que, os jovens começaram a ter as suas motorizadas o que levou a um maior número de acidentes e consequentemente, as pessoas começaram a ter necessidade de tratamentos fora da sua área de residência, as doenças súbitas também se começaram a verificar com maior frequência, os fogos nesta zona eram também uma preocupação das pessoas mais atentas com estas problemática, a Corporação de Bombeiros de Alcobaça.

          Nesta época, eram eles, os Bombeiros de Alcobaça, os responsáveis pela Benedita, mas nem sempre conseguiam ser eficientes o suficiente, uma vez que, a área de intervenção que abrangiam eram muito grande e como resultado o socorro era muito demorado para quem dele necessitava.

          Se a memória não me atraiçoa foi no ano de 1976 que foram dados alguns passos no sentido de se saber qual a forma da Benedita poder ter a sua Corporação de Bombeiros. Assim sendo, foi formada uma comissão que ficou encarregue de realizar os procedimentos necessários para que este sonho passasse a ser uma realidade.

          Para que o mesmo fosse possível foi necessário realizar alguns eventos com o objetivo de angariar fundos, nomeadamente, uma vacada, sorteios, peditórios, entre outros. Porém, a Comissão verificou que não era possível criar um corpo de Bombeiros nesta terra por força das leis então em vigor, ao invés da corporação poderia assim ser criada uma Associação de Socorros e na mesma instalar bombeiros que estavam inscritos na corporação de Alcobaça.

          No ano de 1978 já se encontrava devidamente formado, com os estatutos próprios e corpos sociais o Serviço de Socorro Voluntário da Benedita, S.S.V.B.

                                                                                                  

          Em 1979 foi feito um convite aos jovens com idades compreendidas entre os 14 e os 35 anos para realizarem um curso de formação de bombeiros e deste modo ingressarem no S.S.V.B.

 




                                                                                      

              A afluência ao curso foi de tal modo colossal que, aquando da reunião de apresentação com o Senhor Comandante dos Bombeiros de Alcobaça estavam seguramente umas duas centenas de pessoas na mesma, no entanto muitas delas foram apenas por curiosiAdade. Os que se inscreveram foram divididos em dois grupos, os que apresentavam idade inferior a 35 anos ficaram como aspirantes e iniciaram a recruta, e os que tinham idade superior ficaram como motoristas auxiliares.

          A formação realizou-se no quartel dos Bombeiros de Alcobaça com uma frequência bi ou trissemanal e em simultâneo era ainda ministrado um curso de socorrista pela Cruz Vermelha. No ano de 1980 o S.S.V.B adquiriu uma ambulância com dinheiro proveniente dos eventos de angariação de fundos já referidos anteriormente. 


            Durante os primeiros anos as instalações foram numa loja situada na Avenida da Igreja cedida gratuitamente. Dentro desta instalação cabiam unicamente uma viatura, uma cama para o maqueiro pernoitar e cabides para a pouca farda existente. O pessoal da Benedita fazia parte dos quadros dos Bombeiros de Alcobaça com o nome da 3ª secção mas instalados na Benedita. Nesta época o ordenado de maqueiro era de 10.000 $ o que correspondente a 50€.

                  Uma vez que estas pessoas já tinham o curso de socorrismo e algumas instruções sobre combate a incêndios, em situação de fogo, iam até ao local cumprir a sua missão, isto enquanto não chegassem reforços de Alcobaça. No entanto, os elementos da 3ª secção apenas tinham como viatura uma ambulância e era na mesma, ou em jipes emprestados que se deslocavam até ao local. Mas as dificuldades não se ficavam por aqui, a Associação também não possuía água pelo que como recurso tinham apenas alguns batedores e "boa vontade".

              Em finais de 1981 e início de 1982 foi adquirido um veículo muito curioso, o mesmo havia pertencido a uma companhia aérea holandesa, era um Internacional com um motor de oito cilindros e outro de seis cilindros, ambos a gasolina, sendo que o último referido tinha como função alimentar a bomba para combater os incêndios. Na parte superior do veículo existia um canhão que impulsionava água a mais de 20 metros de altura. Porém a manutenção do veículo era muito elevada, além disso muitas das vezes não havia peças de substituição pelo que a viatura foi colocada de parte. Durante o tempo em que esteve ao serviço o pessoal apelidou-o de “Canhangulo”.


                 A direção em funções (1981) juntamente com a dinâmica dos elementos, conseguiu ainda nesse ano dar início à construção de novas instalações. As mesmas foram realizadas em grande parte com alguns materiais oferecidos e com mão de obra dos próprios bombeiros e amigos.

 

 

          O quartel foi inaugurado a 8 de Dezembro de 1982 e como prenda teve o batismo do primeiro veículo de combate a incêndios, um pronto-socorro ligeiro com capacidade de 600 litros de água. O veículo foi adquirido por intermédio dos Bombeiros Voluntários de Alcobaça mas os custos foram suportados através de uma comparticipação do estado e o restante pelo S.S.V.B.

 

          Este dia foi inesquecível para os Bombeiros e para a população que marcou a sua presença expressivamente, foram ainda convidadas entidades do poder local e bombeiros de corporações vizinhas. No dia-a-dia os bombeiros tinham como fardamento para os serviços de saúde umas calças e camisa cinza e mais tarde foram comprados uns fatos macaco verdes. Estes só eram vestidos por quem se encontrava de serviço uma vez que apenas existiam 12. Para os incêndios utilizavam também um fato-macaco, mas este era azul e tinham também um bivac. Apenas mais tarde se adquiriram capacetes e posteriormente alguns casacos nomex.


(Fardamento utilizado nos serviços de saúde)         


(Fotos tiradas no dia do desfile de elevação de Benedita a Vila a 16-5-1984)

Em 1985 foi adquirida mais uma ambulância, uma Toyota que era considerada das melhores àquela data.



O número de ambulâncias foi aumentando e em 1987 existiam 4 ambulâncias pertencentes ao S.S.V.B.


(Frota de ambulâncias no ano de 1987)

E porque  com "a boa vontade supre a obra" os homens do S.S.V.B. iniciaram um novo processo de forma a reunir condições para se transformarem no corpo de Bombeiros da Benedita.

            Após um conjunto de reuniões foi possível no dia 27 de Julho de 1988 ir a Assembleia Geral com todos os órgãos sociais do S.S.V.B. e sócios com o seguinte ponto único: discutir a extinção do S.S.V.B. Esta proposta consistia na extinção do serviço de socorro e cedência para a então criada Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Benedita e passagem de tudo o que era pertença do serviço de socorro, instalações, viaturas, equipamentos, bem como, a transferência dos sócios. A discussão não foi pacífica, apesar de tudo acabou por ser votada a favor.

          No dia 4 de Novembro de 1988 a Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Benedita (A.H.B.V.B.) tem a sua fundação oficializada. Foi feita também a transferência dos elementos da 3ª secção dos Bombeiros de Alcobaça para a Benedita e deste modo se concretizou um sonho com pelo menos 12 anos.


(Logotipo da A.H.B.V.B.)

          A nova direção propôs e elegeu entre os Bombeiros aquele, que, no seu entender seria o melhor para Comandante e deste modo se iniciou o processo legal para se preencherem os outros quadros, conforme os Bombeiros iam progredindo na carreira. Com o passar do tempo os corpos sociais foram se alterando, bem como os quadros de bombeiros, uns saindo e outros entrando. Apesar das pessoas irem mudando a dinâmica da Associação manteve-se, foram sendo realizados eventos para angariação de fundos tais como, peditórios, passeios de BTT, cavalos, motas antigas, entre outros. Com todos estes esforços e também com outros apoios a Associação teve uma franca evolução adquirindo viaturas novas ou seminovas e ao mesmo tempo abatendo ao efetivo outras por desgaste.

            Dentro do quartel e por falta de espaço só entravam as viaturas mais novas, as restantes ficavam estacionadas nas imediações do mesmo. Uns tempos depois foram realizadas obras para um pequeno primeiro andar para nele se instalar os gabinetes de direção e comando. Os tempos e mentalidades estavam cada vez mais em mudança e a sociedade começou a diminuir os seus tabus face às mulheres, os bombeiros não ficaram indiferentes e começaram a admitir elementos do sexo feminino. No entanto o quartel apenas dispunha de uma camarata e muito reduzida.

          A falta de espaço e as poucas condições existentes, nomeadamente na camarata, começaram a ser a preocupação central do comando. Nesse sentido, começaram a duvidar se não seria necessário a construção de um novo quartel e durante alguns anos a linha de pensamento foi direcionada para essa situação.

          Em 1998 a Associação já tinha algumas parcelas de terreno, umas compradas outras resultaram de trocas.


(Local para o futuro quartel dos B.V.B.)

          No final do mesmo ano, a 8 de Dezembro foi lançada a primeira pedra e as obras começaram logo de imediato e a bom ritmo. As obras foram sempre acompanhadas pela corporação, essencialmente e com uma preocupação acrescida pelo Sr. Presidente da Direção e pelo Sr. Comandante.


 

           A inauguração deu-se precisamente dois anos após o lançamento da primeira pedra, a 8 de Dezembro de 2000. Este dia foi especial para os bombeiros, tendo os mesmos uma mistura de sentimentos entre felicidade e nostalgia, iam passar a conviver diariamente num edifício enorme, com muito espaço e conforto mas por outro lado, deixavam para trás uma casa na qual, cada um, ao seu jeito contribuiu para a sua evolução e lá vivenciou momentos de alegria e também alguns de tristeza.



Em Setembro de 2001 foi criada a fanfarra dos Bombeiros Voluntários da Benedita a qual teve a sua apresentação pública a 14 de Julho de 2002. 



                                                                                     

Os Bombeiros Voluntários da Benedita têm como área de atuação própria as Freguesias de Benedita e Turquel.


Atualmente contam com cerca de 120 Homens e Mulheres com idades compreendidas entre os 5 e os 65 anos

O Comandante que neste momento exerce funções é o 4º a assumir o comando da Corporação, estando em funções desde 2009.


Comandantes:
José Tomás (1988-1993)
Carlos Guerra (1993-2006)
Fernando Fialho (2006-2009)
António Paulo (2009-2014)
 

 

 

 
 
© 2014 Todos os direitos reservados.